CRÍTICA | I TOLD SUNSET ABOUT YOU - Parágrafo Cult

CRÍTICA | I TOLD SUNSET ABOUT YOU

Publicado em segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Pôster promocional
 Ficha Técnica
Título Original: แปลรักฉันด้วยใจเธอ
Lançamento: 22 de Outubro de 2020 - 19 de Novembro de 2020
Direção: Boss Naruebet Kuno
Duração: 345 minutos
Classificação: 14 anos
Gênero: Drama, Romance
País: Tailândia
Número de Episódios: 5 (em torno de 1h10min cada)

Sinopse
Teh e Oh-Aew eram amigos inseparáveis na infância. Até que uma briga os separou. Anos depois, eles se reencontram e vão ter que descobrir como lidar com o turbilhão de sentimentos que afloram toda vez que estão juntos. A tempestade afetiva em que se encontram, contrasta com a calmaria da ilha de Phuket onde eles vivem.


Essa quarentena tem mudado muito a minha mente com relação a vários aspectos, assuntos e hábitos. Quem me acompanha aqui no blog ou até pelo insta do PC, sabe bem que não sou a maior fã do mundo de assistir a séries ou filmes e que por isso, sempre acabo optando pela leitura por conta da minha falta de paciência. No último ano, graças a uma amiga de infância, comecei a assistir algumas produções asiáticas. Não muitas. O máximo que eu conhecia, eram os filmes chineses que via aos montes com o meu pai quando criança e só. Até conversar com a minha amiga, nunca tinha parado para pensar sobre novelas ou séries da Ásia. As que assisti após suas indicações, eram no geral romances (um gênero que já fui muito fã de ler quando adolescente mas que admito que hoje em dia é algo raro do qual não tenho saco e que portanto, o faço bem raramente) e não sei se por ser um continente normalmente conhecido por sua mente fechada com relação a assuntos como feminismo, machismo, homossexualidade entre outros, os romances no geral eram clichês, com a mesma fórmula datada de personagens femininas coitadas, um cara insuportável mas rico que ela se apaixona, todos brancos como se não conhecessem o sol (vale lembrar também que em muitos doramas dos que vi, ser branco era sinônimo de beleza) e você nem ao menos ouvia falar nada da comunidade LGBTQIA+, como se ela nem existisse.
Enfim, nessa quarentena conheci as produções tailandesas (antes eu conhecia apenas as coreanas e chinesas e quase nada das japonesas que não fossem animes) e imagina a minha surpresa quando descobri que lá há um mercado com novelas com personagens LGBTQIA+? Eu tinha lido e assistido 2 Moons (inclusive, resenhei o primeiro livro aqui) mas não achei que era um ramo que estivesse em ascenção. Enfim, apesar de diferente para mim já que era o tipo de produção asiática que eu não conhecia, muitos romantizavam relacionamentos abusivos e até mesmo estupro, tratando do tema como algo superficial. Porém, no último mês, uma série começou a levantar bastante burburinho, o que me fez ficar interessada para assistir, já que nunca tinha visto uma série tailandesa ser tão elogiada. Soube após uma rápida pesquisa que seriam 5 episódios, um por semana, então esperei todos serem lançados para começar a acompanhar. Acho que nunca trouxe indicação aqui de nada que não fossem livros então achei que seria uma boa ideia trazer essa para vocês. 
Aqui, temos dois amigos de infância, Oh-Aew e Teh que após uma briga boba de criança, onde nenhum dos dois se dispôs a tentar uma reaproximação, eles se afastam e acabam se reencontrando anos depois, no pré-vestibular onde vão tentar o mesmo curso já que ambos querem ser atores. Teh é um garoto estudioso, esforçado e com ótimas notas. Já Oh-Aew mesmo diz que sempre acaba desistindo das coisas e que nunca se interessou realmente por nada, até conhecer a atuação que é justamente o que os separou quando crianças. 

"I Told Sunset About You" (que traduzido, seria algo como "Eu falei de você para o pôr-do-sol") é uma série pequena capaz de tocar o coração de quem gosta do gênero e até de quem não gosta muito, que é o meu caso. Sou do tipo de pessoa que vive mil emoções durante uma leitura mas que raramente se emociona assistindo algo e foi o que aconteceu aqui comigo. A narrativa foi tranquila, profunda, delicada e em muitos momentos melancólica.
É um romance sobre o desabrochar e entendimento da própria sexualidade, sobre pressão familiar, sonhos, desilusões, medo da rejeição, a necessidade de aceitação e um amor inocente. Teh até voltar a falar com Oh-Aew, gostava de uma garota que além de ser a sua melhor amiga, também retribuía seus sentimentos, além de que, seus objetivos para o futuro eram similares apesar das diferentes carreiras que planejavam seguir, então o destino dos dois já parecia traçado. Já Oh-Aew, era secretamente apaixonado por Bas, seu colega de classe que nunca pareceu demonstrar sentir nada por ele. Quando Teh e Oh-Aew se reaproximam e se tornam amigos novamente, a amizade começa a se transformar em algo mais e os dois lidam com isso de formas diferentes, o que dá início a toda uma confusão na cabeça dos dois, principalmente de Teh, afinal, a Tailândia ainda é um país com a mente bem fechada para a aceitação de pessoas LGBTQIA+ e ele vem de uma família super conservadora que coloca todas as suas expectativas de futuro em cima dele, além de que ele é sempre comparado com o irmão mais velho.

A narrativa é lenta de uma forma que não incomoda, apesar de que em alguns momentos beiraram a ser cansativas. Das produções do gênero que assisti, essa se destacou por ter ido contra aquele caminho tão desgastado por produções rasas e clichês, sem aprofundamento. Os personagens, as situações e desejos são bem realistas, não puxando para momentos sexistas ou exagerados. São apenas adolescentes que precisam lidar com suas descobertas e seus desejos em meio a um momento de grande pressão por conta das provas do vestibular e seus futuros.
Não podia deixar de falar também de todo o visual da série que é muito bonito. As atuações são maravilhosas e em muitos momentos exigiam bastante dos atores. A paleta de cores mais quentes, a fotografia, os sons, tudo bem bonito de se ver. Tudo isso ajudou a elevar muito o patamar de produções do gênero de romance com protagonistas gays, já que apesar de ser um mercado tailandês que cresce cada vez mais, ainda é algo mais underground de produções com orçamento mais baixo e interpretações nem sempre tão boas (muitos jovens atores usam os bls como porta de entrada para a atuação). 

A trilha-sonora é muito boa também, cantada pelos dois atores que fazem os protagonistas, PP e Billkin. Vi algumas pessoas comparando a narrativa e o estilo da série com o filme Me chame pelo seu nome. Eu não assisti a esse filme ainda porque quero ver se consigo ler o livro antes, então não tenho como confirmar se realmente se parecem. 

Trouxe esses GIF's para vocês terem alguma ideia de como é todo o visual e fotografia da série.



TRAILER OFICIAL
Só encontrei o trailer legendado em inglês :'(

Nota:

Enfim, como sempre, acabo me empolgando nas resenhas e por isso o post ficou enorme. Já conheciam a série ou ouviram falar? Me indiquem livros, séries ou filmes do gênero também. Estou assistindo a várias agora. <3
A série está disponível em várias fansubs pela internet.

5 comentários:

  1. Oi, Larissa. Como vai? Me parece uma série muito boa hein! Embora eu não tenha paciência com seriados, devido aos vários episódios que compõem uma temporada, eu acabo assistindo muito pouco este tipo de atração. Prefiro os filmes e mais ainda os livros. Que bom que curtiu o seriado. As fotos ficaram excelentes. Tenho dois livros para indicar para você, caso queira ler. Eu li e amei a leitura; são eles MEU NOME É AMANDA e outro é DOIS GAROTOS SE BEIJANDO. Se puder ler você irá gostar, pois são excelentes obras literárias com esta temática LGBT. Adorei sua resenha. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Me interesso demais por histórias LGBTQ+ e estou conhecendo mais com suas recomendações. Você me convenceu rapidinho a ver esse bl kkkkk. Amei o post e adoro quando se empolga haha.

    Abraço

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  3. Por acaso não conhecíamos
    Beijinhos :) , https://damselme.blogspot.com/?m=0

    ResponderExcluir
  4. Assisti recentemente. É uma narrativa linda. Para quem é fã de BL, foi um pouco diferente do convencional, daí a grata surpresa. A delicadeza e profundidade com quem foram tratados os temas nos deixou super felizes, porque mostrou para mais pessoas a indústria tailandesa de dramas.

    ResponderExcluir
  5. Estou me adaptando a essa nova narrativa e confesso para vocês que me apaixonei pela serie, ela foi dividida em 2 partes de 5 capítulos cada I Told Sunset About you e I Promised you the Moon, gostei tanto a ponto de virá fã dos personagens, esperar cada episódio semanalmente, entra em discursões no twitter (rsrsrs gente nem tenho idade para isso, mas...) a trilha sonora todo dia tenho que escutar muito romântica, conteúdo leve e muita envolvente, nos faz repensar o quando o assunto sobre a sexualidade, aceitação e sentimentos são delicados e impactantes. Estou descobrindo a cada dia novas serie BL Tailandesas e gostando muito pela qualidade e modo de tratativa do assunto.

    ResponderExcluir