RESENHA | "OS SONHOS ROUBADOS DE LUCINDA" de Jack Azulita - Parágrafo Cult

RESENHA | "OS SONHOS ROUBADOS DE LUCINDA" de Jack Azulita

Publicado em sábado, 24 de julho de 2021

Foto: @paragrafocult
 

"Você tem sonhos deliciosos, Lucinda."

Conversar com o publico infantil é incrível porém também muito desafiador. Sua atenção é fácil de ser dispersada e dependendo do assunto, é necessário uma certa delicadeza que nem todos têm. Sei que já sou uma adulta mas amo obras infantis, ainda mais as que conseguem conversar com os diversos públicos não importando qual a idade. Amo terror então fiquei bem interessada pelo livro quando a Editora Diário Macabro o lançou, principalmente por ser voltado para o público infantil já que por mais que seja um conteúdo bem interessante, ainda não é tão disseminado por aí. 

"Minha mãe costumava dizer que, no Silêncio, a gente consegue ouvir o que grita dentro de nós. Por isso, fechei os olhos para tentar ouvir...
Foto: @paragrafocult

A obra do autor veio para trazer mais leitores para o gênero, dessa vez através do público infantil e já chama a atenção desde o seu prefácio, afinal "está tudo bem em ser o macabrinho da família e dos seus amigos". Confesso que não sabia muito sobre a obra quando iniciei a leitura, fui as cegas e me surpreendi muito da melhor forma possível, afinal, a personagem Lucinda passa por uma grande aventura dentro de si mesma. 


" - Silêncio, você está por aqui?"

 - Se você consegue me ouvir, é porque ironicamente estou aqui."


Lucinda é uma garotinha que acabou de se mudar junto da mãe para o sítio da família. O lugar é estranho, vazio e a casa parece ter sido construída para gigantes morarem e não pessoas como ela. O problema é que desde que se mudou para essa casa com cheiro de coisas velhas, ela parou de sonhar. Sua mãe diz que ela apenas têm se esquecido dos seus sonhos mas Lucinda sabe que não é o caso já que a sensação é como se estivesse em um buraco negro sozinha. 

Foto: @paragrafocult

Cansada disso, ela decide sair de manhã cedinho antes mesmo da mãe acordar. O pequeno sítio cheio de árvores é como uma floresta para a garotinha em busca de algo que explicasse o motivo de não estar mais sonhando. Até mesmo os seus pesadelos sumiram e isso torna o sono algo difícil já que a noite vira um grande vazio para ela. 


"Às vezes, enterramos coisas tão fundo dentro de nós mesmos que elas nos atravessam. Então é provável que alguma delas tenha passado por você e se enterrado embaixo da cama."


Decidindo engolir o medo e enfrentar o que quer que à estivesse visitando durante o sono, Lucinda segue em uma aventura em busca de respostas junto do Silêncio. Essa aventura se transforma em uma jornada de autodescoberta onde Lucinda vai precisar enfrentar seus medos e principalmente a si mesma e ao seu passado, afinal só assim vai poder ter uma noite de sono tranquila e entender melhor o que está acontecendo. O medo segue Lucinda em cada passo que a garotinha dá mas ela permanece firme mesmo dando de cara com a Dona Aranha e criaturinhas que parecem uma mistura de moscas e ratinhos. 

Toda a jornada dela é narrada com tanta delicadeza que o coração até aperta em alguns momentos. Você acaba querendo saber as razões dela não conseguir dormir e querendo descobrir quem é o grande monstro por trás do roubo de todos os seus sonhos. 


"Medo é uma arma poderosa, e você pode usá-la a seu favor."


As inspirações para a obra são claramente vindas de Coraline do Neil Gaiman, Tim Burton e até mesmo O Labirinto do Fauno do Guillermo Del Toro. O autor Jack Azulita conseguiu tirar inspiração de obras tão conhecidas e criar algo bem original. A escrita dele tocou o meu coração com toda a delicadeza. Como eu disse no começo dessa resenha, dependendo do assunto a ser tratado é necessário uma certa delicadeza quando o público-alvo é infantil e o tema daqui é algo que necessitava muito a delicadeza (que foi muito bem alcançada pelo autor) já que trata do luto infantil. 


"Eu sou o Silêncio, não há nada que grite mais alto que eu."


As ilustrações monocromáticas ajudam a dar o tom da história, a deixando ainda melhor. É um livro infantil que pode ser lido por todos os públicos por saber mexer com os nossos sentimentos de uma forma que poucos conseguem. Uma obra que entrou para meus favoritos do ano e que vou guardar no peito, já que ao mesmo tempo que me arrepiou, deixou o meu coração quentinho. 

Foto: @paragrafocult

Gostam de obras de terror infantis? Me conta qual é a sua favorita!


Ah, se você quiser adquirir essa ou qualquer outra obra da Editora Diário Macabro com desconto, é só usar o nosso cupom PARAGRAFO. Aproveite!!

4 comentários:

  1. Oi, Larissa. Como vai? Parece incrível esta obra, não é mesmo? Meu livro favorito de terror infantil é Coraline de Neil Gaiman. Abraço!


    http://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá! Adorei a dica e já quero ler. Eu também sou fã de obras infantis bem escritas, acho que uma criança leitora sempre vai habitar em mim. E que edição linda! Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  3. Que livro lindo! Assim que bati os olhos pensei logo em Coraline e obras de Tim Burton, como vc mesma destacou!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. No momento estou lendo Coraline e estou amando! Amei saber que as inspirações desse livro vem de Coraline, me animei ainda mais para ler!
    Beijinhos,
    www.cafecommands.com

    ResponderExcluir