RESENHA | "A GUERRA DOS MUNDOS" de H. G. Wells - Parágrafo Cult

RESENHA | "A GUERRA DOS MUNDOS" de H. G. Wells

Publicado em quarta-feira, 16 de setembro de 2020

Foto: Larissa (Acervo Pessoal) - @ParagrafoCult

Editora: Suma  |  Páginas: 296  |  Ano: 2016  |  Gênero: Sci-Fi, Distopia, Suspense e Mistério


 Não vou mentir que só comprei esse livro por conta do filme. Já ouvi falar coisas maravilhosas sobre H. G. Wells mas nunca tinha lido suas obras porém fiquei curiosa quando vi o livro por conta da adaptação conhecida.

A única coisa que posso dizer para resumir o que senti ao ler a obra foi: Por que não li antes?


"Contudo, tão orgulhoso é o homem, tão cego por sua vaidade, que nenhum escritor até o fim do século XIX expressou qualquer suspeita de que vida inteligente poderia ter se desenvolvido no espaço distante, ou mesmo em qualquer lugar além do âmbito terrestre."

 

Sério. Que livro... Esse ano eu acabei por conhecer mais do gênero sci-fi que era algo que nunca tinha me deixado realmente interessada e a cada obra que leio, minha vontade de conhecer mais e mais livros de sci-fi só aumenta. 


"Poucos se dão conta da imensidão do vazio em que a poeira do universo material flutua."


A obra é dividida em duas partes: na primeira nos é mostrado através do ponto de vista do narrador, como tudo começou. Desde a queda de um estranho cilindro nas redondezas, até o processo de dominação dos humanos pelos marcianos começar a se desenvolver. Quando um enorme e estranho cilindro cai, a atenção de várias pessoas das redondezas é capturada. As pessoas comuns querem saber do que se trata, enquanto os mais "cultos" querem de alguma forma fazer contato com qualquer que seja o tipo de vida dali.

O que as pessoas não estavam esperando era que a criatura saída do cilindro fosse tão grotesca aos seus olhos, afinal, esperava-se que uma criatura minimamente humanoide saísse dali mas o que apareceu foi algo como um polvo, com uma enorme cabeça e estranhos tentáculos que mau conseguia se mover devido as diferenças de ambiente entre a Terra e Marte. 


"Talvez eu seja um homem de temperamento raro. Não sei até que ponto a minha experiência é comum. Às vezes sinto-me estranhamente desligado de mim e do mundo ao meu redor, parece que assisto a tudo de fora, de um lugar incrivelmente remoto, fora do tempo, fora do espaço, fora da tensão e da tragédia que nos cercam."


Por conta dessas dificuldades, ninguém viu neles um grande perigo, o que logo foi mudado já que as criaturas rapidamente mostraram-se um grande perigo ao surgirem em enormes máquinas de quase trinta metros de altura, com tentáculos que capturavam e destruíam tudo, além de um raio que queimava tudo ao redor.

A melhor parte do livro, na minha opinião não foi a dominação de Londres pelos marcianos em si e sim a forma como o narrador conta da reação que a tragédia causa nas pessoas, em como a demora para acreditar no real perigo prejudicou na fuga e acabou facilitando a morte de vários, assim como questionamentos religiosos que são levantados quando ao fugir o narrador encontra um padre a beira da loucura, que não parava de se questionar sobre os motivos de Deus para permitir tal atrocidade e o castigo divino.


"No centro, cravado na pele de nosso velho planeta Terra como um dardo envenenado, estava o cilindro. Mas o veneno ainda mal começara a agir."


Algumas pessoas eram rapidamente levadas pela loucura diante da situação, outras pareciam não se importar em passar por cima de quem quer que aparecesse em seu caminho e dificultasse sua fuga. Roubos e saques para se alimentar já que fome e sede era uma dor coletiva, se tornaram comuns, assim como a caça de territórios seguros. A humanidade estava o mais puro caos, ou melhor, o que restara dela.

O narrador (não me lembro do nome dele ter aparecido em nenhum momento do livro mas posso estar enganada porém isso tem uma importância muito pequena, então nem faz falta saber ou não o nome de quem está narrando) se manteve relativamente são durante os acontecimentos. Sem saber de fato como estava a sua esposa, machucado e com medo, ele ainda sim se manteve de pé e por mais que quisesse que tudo acabasse e sentisse medo, não parecia culpar totalmente os marcianos como as outras pessoas faziam. Ele muitas vezes comparava toda a situação entre humanos e marcianos com a forma da qual os próprios seres humanos tratavam e dominavam animais inferiores. 


"Mas a máquina marciana não deu mais importância às pessoas, que corriam de um lado para o outro, do que um homem daria depois de chutar um formigueiro, ao desespero das formigas."


Não sei se por ser menor, a segunda parte do livro é bem mais fluída. Os marcianos estão consolidando seu poder sobre os seres humanos já que nos é dito que a razão para eles terem aterrisado e criado tal estrago na Terra era porque Marte estava se tornando inabitável para eles, que precisavam de um novo lar. 


" - Isto não é uma guerra - prosseguiu o artilheiro. - Nunca foi uma guerra, assim como nunca houve uma guerra entre o homem e as formigas. 

(...)
É como os homens e as formigas. As formigas constroem cidades, vivem suas vidas, passam por guerras, revoluções, até que os homens decidem que elas têm de sair do caminho, e elas saem. É isso que somos agora. Formigas. Com a diferença que somos formigas comestíveis."


O livro é repleto de detalhes. Você consegue visualizar quase que com perfeição os marcianos e o caos que vêm junto deles. A narrativa, na minha opinião, também foi bem fluída de forma que a leitura é bem rápida e simples de entender, sem enrolações e nem floreios. Eu devorei o livro tão rápido que nem ao menos percebi e quando terminei, fiquei querendo mais. O narrador passou por maus bocados que eu e muitas pessoas acabariam por perecer. Ele era um cara que sabia se virar nos momentos em que estava sob pressão e medo, além de ser um cara inteligente, o que o ajudou bastante em diversos momentos. Porém quando ele encontra um soldado no qual seu instindo para sobreviver era maior do que seu raciocínio, ele pôde ver que ser inteligente não seria o suficiente para sair vivo de tudo aquilo. 


"Senti-me como um coelho que, ao voltar para sua toca, encontra uma dúzia de operários cavando os alicerces de uma casa. Percebi a primeira insinuação de algo que logo se tornou claro em minha mente, e que me oprimiu durante muitos dias - uma sensação de destronamento, a convicção de que já não era o mestre, mas um animal entre outros, sob a tirania dos marcianos. Daí em diante, como os animais, nos espreitaríamos, fugiríamos, buscaríamos esconderijos. O terrível império humano caíra."


A capa do livro é dura, tendo algumas ilustrações em seu interior. Achei a história maravilhosa, talvez por ter começado a leitura sem muitas expectativas. Agora quero ler outras obras de H. G. Wells, como A Máquina do Tempo e O Homem Invisível.

Já leram esse livro ou algum outro do autor?  E o filme, já assistiram? 

"Mais um entre os animais inferiores, bastando um capricho da raça superior para ser caçado e morto. Talvez eles também rezassem confiantemente a Deus. Se aprendemos alguma coisa com a guerra, decerto foi a piedade - piedade pelas almas ingênuas que sofrem no nosso domínio."

Ah, queria dizer que nesses últimos tempos tenho ficado mais ativa no instagram do que aqui no blog mas que mesmo assim vou tentar me manter mais frequente por aqui também, ok? De qualquer forma, depois vão dar uma conferidinha no nosso instagram aqui do blog, o @paragrafocult.

O instagram do @ParagrafoCult junto com o @Livros_Fantasy e o @Crialite está sorteando um cupom de R$ 100,00 em livros na Amazon. Corre para participar! A foto oficial está no link abaixo da imagem.

8 comentários:

  1. Oi, Larissa como vai? Eu só li um livro de H. G. Wells e gostei bastante da leitura. Este aí eu não li, mas percebe-se que a leitura lhe agradou bastante. Ótima resenha. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Eu tb nunca li nada do autor, só assisti o filme desse livro. Eu amo tramas assim, então tenho certeza de que gostaria do livro tb. Se eu tiver a chance de ler, lerei sim!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    Romantic Girl

    ResponderExcluir
  3. Este livro rendeu duas boas adaptações para o cinema, uma de 1953 que é muito legal e outra de Spielberg em 2005 com Tom Cruise. Em 2019 produziram também uma seriado, mas este eu ainda não conferi.

    Várias outras histórias de H.G. Wells viraram filmes, como "A Máquina do Tempo", "O Homem Invisível" e "A Ilha do Dr Moreau".

    O autor foi até personagem em "Um Século em 43 Minutos", outro bom filme.

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Os trechos que selecionou reforçam minha curiosidade sobre esse livro, que conhecia somente pela sua resenha. Mas acho que seria uma leitura bem diferente da estou acostumada, mas poderia me impressionar com ela <3

    Abraço

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  5. Por acaso não conhecíamos o livro :$
    Beijinhos, https://damselme.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá, garota.

    Nunca li nada do autor mas esse romance me atrai tanto pelo cinema como porque serviu de base para o segundo volume de A Liga Extraordinária, gibi escrito por Alan Moore.

    “Desde a queda de um estranho cilindro nas redondezas”
    - No filme achei mais bacana a ideia de que os tripods estavam enterrados há eras! Mostrou a invasão como planejada com antecedência de milênios.

    “Marte estava se tornando inabitável para eles, que precisavam de um novo lar.”
    - Esse é mote de trocentas histórias sobre invasão alien. Uma espécie que singra universos e precisa de um novo lar porque não soube cuidar do seu.

    “A capa do livro é dura, tendo algumas ilustrações em seu interior.”
    - Pena que a Suma atentou para isso há pouco tempo. Gostaria que meus livros de King tivessem esse acabamento, todos eles.

    Leio seus posts no Instagram. Mas não costumo comentar devido ao mini teclado do celular!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Oi Larissa, que saudade eu estava das suas resenhas. Eu sempre fico animada para ler os livros que você compartilha.
    Eu também nunca li, mas assim como você tenho curiosidade por causa do filme, que sou apaixonada. Pelo visto o livro é bem mais completo e parece ser muito gostoso de ler. Sempre tenho curiosidade com livros que abordam vidas em outros planetas, apesar de achar que os aliens não tem tanto interesse em nosso planeta.
    Amei sua resenha.
    Beijos.
    Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
  8. Eu não li ainda, mas quero muito! Sempre ouvi falar bem, o autor é super elogiado! Tenho a maquina do tempo em ebook, adquri recentemente e espero ler em breve!

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir