RESENHA | "A PROFECIA" de David Seltzer - Parágrafo Cult

RESENHA | "A PROFECIA" de David Seltzer

Publicado em sábado, 15 de agosto de 2020

Foto: Larissa - @paragrafocult

Editora: Pipoca & Nanquim | Páginas: 280 | Ano: 2020 | Gênero: Horror, Terror

Sinopse: E se o anticristo estivesse entre nós? E se ele fosse uma criança e fosse o seu filho? É com enorme orgulho que a editora Pipoca & Nanquim traz de volta A Profecia, obra que é considerada por muitos críticos como uma das três mais importantes da literatura moderna de terror, junto de O Bebê de Rosemary e O Exorcista. Escrito em 1976 por David Seltzer, um mago de Hollywood que trabalhou como roteirista, diretor e produtor, o livro fala sobre o surgimento do anticristo no mundo de hoje, tomado por guerras, conflitos raciais, turbulências políticas, desigualdades sociais e pragas. Assim que foi publicado, tornou-se um bestseller e meses depois foi adaptado para filme, com direção de Richard Donner (Superman: O Filme, Os Goonies) e protagonizado pelo astro Gregory Peck (Moby Dick, O Sol é Para Todos). Após décadas sem ser publicado no Brasil, A Profecia agora retorna numa edição caprichada e luxuosa, com capa dura, verniz localizado e 280 páginas em papel pólen soft.
Nunca escondo o meu amor por clássicos do terror e o desejo de conhecer cada vez mais obras. Tenho uma listinha onde anoto todos os livros clássicos que li ou quero ler e esse era um dos principais da lista e olha que nunca nem mesmo assisti ao filme de 1976 com o maravilhoso Gregory Peck. Porém já sabia da premissa e do enorme sucesso do filme que teve várias sequências e por isso queria ler o livro para em seguida me deliciar com o filme. 

"Tenho medo do que é bom porque sei que vai acabar... Tenho medo do que é ruim porque sou fraca demais para suportá-lo."

Porém, para a minha tristeza, o livro estava fora de catálogo há quase trinta anos aqui e em vários países devido a problemas dos quais eu não entendi muito bem. Por conta disso, é bem difícil de encontrar um exemplar. Até que um dia, assistindo aos vídeos novos do canal Pipoca & Nanquim do qual gosto muito, fiquei sabendo que eles iriam lançar a obra do jeitinho que eu gosto: capa dura e linda, interior da obra caprichado e até um posfácio escrito pelo próprio autor para seu lançamento. Já fiquei doida porque queria muito ler então assim que o livro finalmente chegou, respirei fundo e enfiei a cara por entre as páginas.

"O medo que se passava entre ambos era conhecido por outros pais; a percepção de que havia alguma coisa errada com seu filho. E o medo se cristalizava em silêncio."

Robert Thorn é um embaixador americano famoso, gentil e apaixonado por sua esposa Kathy. Eles se conhecem desde bem jovens. Kathy tem um histórico de problemas psicológicos mas quer muito ser mãe, porém o resultado de suas tentativas eram abortos que deixavam o casal e principalmente ela, devastados. Kathy acreditava que ter um filho a salvaria de tudo aquilo.

Foto: Larissa - @paragrafocult
"Naquele frenesi, arranharam uns aos outros, e o sangue começou a manchar mãos e bocas naquela tentativa de fuga. A multidão ficou em silêncio, pasma, mas Damien ria, apontando para a cena pavorosa com deleite e animação."

Quando uma gravidez finalmente parece vingar, tudo fica bem. A mulher está em Roma para dar a luz a seu filho e Thorn vai prontamente para o seu encontro. Ele está apreensivo, já que sabe que se acontecesse algo de errado durante essa gravidez, a probabilidade de sua mulher não aguentar a dor  de mais uma perda seria enorme. 

Assim que chega ao hospital, um padre do local, Spilletto, lhe conta o pior: seu filho está morto e sua esposa está sedada. Seu mundo parece cair, porém o padre lhe apresenta uma solução: sua esposa precisa de um filho e coincidentemente eles tinham ali um bebê que acabara de nascer, que tinha as mesmas características que o casal e que estava sem mãe, já que ela havia morrido durante seu parto.

"Seriam todas as pessoas apenas peões movidos pelas forças superiores do Bem e do Mal? Seriam todas apenas marionetes manipuladas do alto e de baixo?"

Querendo o bem de sua mulher e com medo de perdê-la, ele toma a decisão de ficar com a criança. Ninguém além dele e daquele padre saberiam da troca que havia ocorrido ali naquele dia escuro. Robert Thorn sente um certo peso na consciência mas ele quer o melhor para sua esposa. 

Depois disso, quatro anos se passam e a família se tornou um exemplo de família perfeita de capa de revista já que são pais bonitos, ricos e sorridentes junto de uma criança perfeitamente angelical da qual chamaram de Damien. O garotinho é lindo porém estranhamente calado e recluso, parece observar tudo com seus olhos afiados. 

"Ele estava impotente. Todos os homens estavam. Não pediam para nascer ou para morrer. Eram obrigados a isso. Mas por que, entre o intervalo de nascimento e morte, era preciso haver tamanhã dor? Talvez a humanidade fosse mais divertida assim. Talvez proporcionasse um entretenimento melhor."

Após a fatídica festa de aniversário de quatro anos de Damien, coisas estranhas começam a acontecer, virando a vida de toda a família de cabeça para baixo e mexendo completamente com a cabeça dos pais do garoto, fazendo Thorn pensar que deveria ter procurado saber mais sobre a família do menino e o levando a suspeitar que aquela criança traz algo sombrio junto de si.
Foto: Larissa - @paragrafocult
Admito que apesar do livro ser taxado de terror, eu não senti medo. Para mim ele foi mais como um suspense que me fez "lutar" para não cair na tentação de avançar as páginas e espiar o que aconteceria. É o tipo de obra que deixa o leitor curioso e apreensivo. Apesar de toda a profecia ao redor do anticristo, Damien é apenas uma criança de quatro anos. Ele é o vilão mais inocente que eu já vi em algum livro ou filme de terror, o que sai um pouco daquele clichê onde as crianças dos filmes de terror tendem a ser assustadoras e detestáveis.

"Parecia que quanto mais tempo o homem permaecesse na Terra, menor era a perspectiva de habitá-la."

O terror ali para mim foi mais psicológico. A família perfeita vai se deteriorando e você vai notando como Thorn luta contra sua própria mente e lógica ao perceber que seu filho não é apenas uma criança comum. Sua cabeça vai se tornando um desastre assim como a sua vida. Tudo começa a desmoronar.

Finalmente percebi a razão da obra ser tão aclamada. O final me tirou o fôlego e me pegou de guarda muito baixa porque eu realmente não esperava por tal desfecho fora do comum. Fiquei tão chocada quando finalizei a leitura que já parti em seguida para um romance leve e quente para amenizar a minha mente após uma leitura tão profunda que fala sobre o apocalipse, anticristo e profecias. 

"Mas o homem é assim, não é mesmo? Assume que tudo que exista para ser visto deve estar visível." 

Como uma grande fã do terror, posso afirmar que A Profecia não perde para nenhuma obra do gênero e merece a fama que tem. Se não me engano foi ela junto do filme que popularizaram o número 666 como o "The number of the Beast", como dizia o Iron Maiden. O livro de certa forma assusta a gente sendo que o tinhoso em si não aparece nem ao menos através de uma sombra. O medo e tensão no ar já se encarregam de tudo. A forma como o autor pegou referências sobre a chegada do anticristo no livro de Apocalipse e conseguiu conectar tudo com acontecimentos atuais é genial. 

Os personagens secundários também são muito bons. Kathy é uma mulher que apesar dos problemas psicológicos, tenta o melhor para deixar o filho feliz, Jennings que é um fotógrafo de imprensa que ajuda Thorn em sua busca pela verdade, de início não me cativou muito por conta de sua personalidade mas depois se mostrou melhor do que eu imaginaria que seria de início, sacando muita coisa bem rápido e sendo mais inteligente do que aparenta. Os padres Tassone e Spilletto são bizarros e a Sra. Baylock, a estranha babá de Damien, apenas ajudam a incrementar ainda mais a história.

Ah, já ia me esquecendo. O livro tem algumas cenas gráficas de violência com adultos, animais e crianças, além de suicídio. Estou avisando porque sei que isso pode ser um gatilho para algumas pessoas então se não gosta disso, evite a obra, ok?

"O passado se fora, e o futuro era imprevisível."

A edição da Pipoca & Nanquim também é maravilhosa. Amei demais a capa dura, com uma ilustração em preto que é uma referência direta ao Damien do filme de 1976, com o nome como fumaça (acho que em referência as formas esfumaçadas que aparecem nas fotos de Jennings). O interior também é bem caprichado, com um posfácio escrito pelo autor para a edição brasileira, junto de uma parte do roteiro do filme e uma ilustração maravilhosa em preto e branco. Sem contar que a fonte é de um bom tamanho.
Foto: Larissa - @paragrafocult
Se você gosta de terror e suspense, principalmente daqueles que te fazem roer as unhas, A Profecia é uma ótima pedida. Mas não se deixe cativar por Damien, como diz o cartaz do filme antigo: "Você foi avisado!".

13 comentários:

  1. Oi, Larissa como vai? O livromr parece ser bastante envolvente, embora o terror aí presente seja mais psicológico eu o leria. Que bom que gostou da leitura. Sua resenha ficou maravilhosa. Abraço!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Confesso que eu nunca tinha ouvido falar desse livro, mas já fiquei interessada em ler. Não leio muitos livros de terror, mas adoro. Gostei dessa resenha!

    https://www.biigthais.com/

    Beijoos ;*

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem? Fiquei bem curioso sobre o que acontece no final, pois pareceu ser este o motivo de tamanha admiração pela obra.
    Um abraço. Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Larissa. Tudo bem?
    Eu sou muito medrosa, não assisti nem os filmes de referência que você citou O Exorcista e O Bebe de Rosemary. Levei anos para conseguir ver Chuck e assisti It no cinema com o coração na mão (tenho medo de palhaços), mas minha curiosidade com esse livro está falando alto, hahaha.

    Beijos, Vanessa
    Leia Pop

    PS: Acho que o primeiro comentário deu erro

    ResponderExcluir
  5. Oi Lari, tudo bem?
    Não costumo assistir filmes de terror por ser muito medrosa, mas em livros eu adoro esse suspense e tensão. A sua resenha me deixou muuuito curiosa pra adentrar essa tensão toda e descobrir o que acontece, ainda que já tenha uma "palhinha" de que envolve anticristo e apocalipse.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  6. Olá, Larissa.

    Ando sem comprar livros e materiais impressos no geral. Mas essa sua postagem me deixou tentado porque é um livro belíssimo quanto ao acabamento e a história me chamou a atenção algumas vezes, embora eu nunca tenha ido atrás.

    “é considerada por muitos críticos como uma das três mais importantes da literatura moderna de terror”
    - Eu não sabia disso. Conhecia por ser reconhecido como um ótimo livro, mas não ao lado desses medalhões citados por você.

    “Filme com Gregory Peck”
    - Preciso ver este filme. Vou buscar na Netflix e na Prime. Mas desde te digo que está dublado, em boa qualidade, no Youtube (e “de grátis”). E, como você, gosto de Gregory Peck, um “homão da porra”.

    “Kathy acreditava que ter um filho a salvaria de tudo aquilo.”
    - Kathy, seu marido e mais alguns milhões de casais que tentam encontrar suporte em crianças para as miserabilidades da existência. Ter pimpolhos não salva casamento e vida psicológica. Mas o povo não aprende.

    “Admito que apesar do livro ser taxado de terror, eu não senti medo”
    - Às vezes, é melhor assim. Algo sutil, psicológico (como você mesma disse). Evitamos, assim, uma tentativa broxante de pregar medo.

    “A edição da Pipoca & Nanquim também é maravilhosa”
    - A P&N está se mostrando uma grande editora. Escolha a dedo do que lançar e capricho editorial. Eu mesmo me afastei muito dos livros impressos devido a fontes pequenas, material de capa e miolo vagabundo, pouco espaçamento e quase nada de margem. Minha visão pede arrego. E, se for para gastar com brochura que se esfacelará na segunda leitura, melhor ler o piratão no Kobo.
    Sobre o P&N, conheci o site em seu primeiro mês de existência. Era apenas um site, no início, onde os caras falavam de cinema e HQs. Além deles três, eu e outro cara (alagoano, acho) éramos os colaboradores. Ainda publiquei muitas resenhas no site. Era muito bacana.

    Vi esta sua postagem quando você a divulgou no Instagram. Mas nunca comento pelo celular. O teclado é sofrível. Aí espero acessar o PC para isso.

    Abraços, garota.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Esse não vou ler fiquei com medo, não consigo ler nada de terror porque passo vários dias remoendo e revivendo a história. Mas, amei saber que gostou.
    Você que desenhou o boneco da primeira foto? O desenho e a foto estão incríveis.
    Beijocas.


    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Lari!
    Horror nao é muito minha praia, então confesso que a obra apesar dos comentarios positivos não me atrai, mas é inegavel que as edições do pipoca são lindas demais. E eu amei o desenho. Foi você que fez? <3

    Abraços
    Emerson
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. O filme com Gregory Peck consegue ter um clima assustador e algumas sequências bastante violentas, mesmo não sendo tão forte como "O Exorcista".

    Além das sequências e das cópias, existe uma boa refilmagem produzida em 2006.

    Uma boa semana pra vc.

    ResponderExcluir
  10. Aii eu achei lindo seu desenho <3. Conheci o livro e o filme por você, mas mesmo assim não sei se leria num momento próximo por não ser algo que me instigou a atenção. Mas amei o Damen e a carinha dele haha, por mais que pareça um psicopata.

    Abraço

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  11. Edição linda, digna de ficar no mesmo patamar que os livros da Dark Side.
    Sou fã de livros de suspense e terror, são meus gêneros favoritos, mas eu não gosto de histórias que envolvem o sobrenatural, prefiro algo mais sutil, e gostei de saber que o que dá medo mesmo nesse livro é a apreensão. Fiquei curiosa em ver até o filme, haha.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  12. Que medinho hehehehe
    Eu tenho medo de filmes e livros de terror, mas ao mesmo tempo acho muitoo legal quem gosta e fala com tanto entusiasmo sobre, assim como você.
    Mesmo tendo medinho eu acho super interessante quando colocam crianças nesse tipo de história, acho que dá um diferencial muito bacana.
    Ah, na minha tatuagem está escrito "a melhor parte da mim" com a letra da minha mãe ♥

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi, Larissa

    Amei a edição e agora estou com vontade de ler! hahaha
    Eu assisti a adaptação com a Julia Stiles, mas confesso que nem lembro muito.
    Eu gosto bastante desse terror mais psicológico, então provavelmente ia curtir o livro.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir